Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, e de Lojas de Conveniência, e de Empresas de Lava-Rápido e de Empresas de Estacionamento de Santos e Região – Sindicombustíveis Resan.

Postos & ServiçosMudanças no programa criam um banco de mão de obra de frentistas já treinados

AGO 19, 2019

Se no passado, o treinamento de um frentista era feito na pista, depois da contratação, hoje, é possível contratar um jovem que nunca abasteceu um carro na prática, mas que tem conhecimento teórico sobre combustíveis, troca de óleo, lavagem de veículo, calibração de pneus.

Se no passado, o treinamento de um frentista era feito na pista, depois da contratação, hoje, é possível contratar um jovem que  nunca abasteceu um carro na prática, mas que tem conhecimento teórico sobre combustíveis, troca de óleo, lavagem de veículo, calibração de pneus. São os jovens aprendizes que, desde agosto do ano passado, por exigência do Ministério do Trabalho e Emprego, têm de passar pela sala de aula antes de chegar aos postos.

O novo funcionário já chega ao trabalho com noções reais do que é ser um frentista. Não é novidade que toda empresa com mais de sete empregados é obrigada a contratar um Jovem Aprendiz. No entanto, a modificação na lei trazida pela Portaria 643, publicada em agosto do ano passado, determinou que o aprendiz só pode iniciar o trabalho prático após cumprir 10% da carga horária do curso teórico.

Adriana Cyrieco, diretora executiva do Centro de Aprendizagem, Formação e Convivência Metropolitana (CAFCM), explica que aluno do curso de frentista recebe noções de troca de óleo e filtros, atendimento ao cliente com foco no oferecimento dos demais produtos comercializados em postos, limpeza do local de trabalho, lavagem de veículos e calibração.

Em um ano, o CAFCM formou 180 frentistas, dos quais 80% foram efetivados nas empresas. "Temos uma rede de postos na
Praia Grande que, com menos de um mês, efetivou o jovem aprendiz e nos solicitou outro". 

Além do curso de frentista, outros dois módulos atendem às empresas associadas ao Resan: varejo e auxiliar administrativo. "No  curso de varejo, os aprendizes têm aula de atendimento ao cliente, controle de estoque, entradas e saídas e arrumações de gôndolas. Já no curso de auxiliar administrativo, as aulas são focadas em matemática financeira, contábil, redação, noções de Word/Excel, comunicação/marketing e atendimento telefônico”. 

Contratação
Sempre que recebe solicitação de um jovem aprendiz, o CAFCM envia três ou quatro alunos que já passaram por uma capacitação  prévia para a seleção no posto. Apenas desta forma que o início é imediato. Uma vez por semana, no entanto, o jovem precisa se ausentar para passar pelo treinamento teórico. O contrato é de 15 meses, podendo ser renovado por mais 8 meses, desde que não ultrapasse 24 meses de duração.

O CAFCM está habilitado para atuar nas cidades de Santos, São Vicente e Praia Grande. A entidade aguarda liberação para trabalhar, também, nos demais municípios da Baixada Santista, de Bertioga até Peruíbe. "A única exigência da legislação é que a entidade formadora seja na mesma localidade da empregadora. Então eu preciso ter uma unidade do CAFCM em todas as cidades que atuar". 

Contato CAFCM: (13) 3395-0246.

SAIBA MAIS - São duas as modalidades de contratação:

1 Jovem contratado pela entidade: CAFCM é o responsável pelo registro profissional do jovem. Desta forma, além do salário de R$ 914,79 (já incluso a periculosidade), há também o pagamento de uma taxa administrativa referente a 50% deste valor (R$ 457,39). Nesta taxa, estão inclusos os encargos trabalhistas, fornecimento de uniforme, capacitação teórica, parte pedagógica e o acompanhamento psicossocial. O CAFCM recebe o dinheiro e faz o pagamento do salário ao jovem. 

2 Jovem contratado pelo posto: CAFCM indica o Jovem Aprendiz, mas toda a contratação, recolhimento de impostos e pagamento de salário fica por conta do posto. Nessa modalidade, o CAFCM oferece um desconto de 30% na taxa administrativa para  Associados do Resan.

Obs.: A empresa deve oferecer os EPI´s obrigatórios e pagar diretamente ao jovem o vale transporte. Lembrando que, por conta do contrato de trabalho, não precisa oferecer vale alimentação nem vale refeição.

Ponto a ponto
1 Empresas com pelo menos sete empregados são obrigadas a contratar jovens aprendizes. Estão dispensadas da exigência apenas as microempresas e as de pequeno porte. No entanto, os jovens só podem iniciar o estágio prático após cursar 10% das aulas teóricas.

2 A cota de aprendiz por empresa está fixada entre 5%, no mínimo, e 15%, no máximo, por estabelecimento, calculada sobre o total de empregados cujas funções demandem formação profissional. 

3 O que difere o aprendiz do trabalhador comum é que ele deve estar matriculado em um curso de capacitação, que é feito em paralelo ao trabalho. O jovem pode trabalhar por até 6 horas diárias, quatro vezes na semana. No quinto dia útil ele tem que,  obrigatoriamente, estar na entidade formadora para aprender a parte teórica daquela profissão.

Dúvidas sobre as regras do programa Jovem Aprendiz ou da legislação trabalhista podem ser esclarecidas no Departamento Jurídico Trabalhista do Resan pelo telefone: (13) 3326-2641.?

 

Mais entidades oferecem cursos para aprendizes na região

Há outras entidades que oferecem cursos de frentistas, auxiliar de escritório e loja de conveniência na Baixada Santista. No entanto, o Resan orienta a todos os associados que confirmem na hora da contratação se a empresa continua integrante do  Cadastro Nacional da Aprendizagem (http://trabalho.gov.br/aprendizagem), onde constam as instituições qualificadoras
autorizadas a atuar em cada município. Link: http://www.juventudeweb.mte.gov.br/indexPesquisaAprendizagemInternet.
asp?TPConsulta=2

SETTAPORT
Funções: jovens aprendizes para postos de combustíveis (frentistas e atendimento dentro das lojas de conveniência), comércio varejista (atendimento ao público, reposição, auxiliar de caixa, estoquista), cumin (assistente de garçom) e área administrativa  (recepcionista, agente de carga e descarga, logística e office-boy). 
Custo: taxa mensal de R$ 200,00 por aprendiz contratado diretamente pela empresa e a taxa única de R$ 40 pelo material do aluno.
Contrato: O próprio posto pode contratar o aprendiz como funcionário ou, então, pode solicitar que a contratação seja feita pela fundação. Neste segundo caso, a empresa repassa ao Settaport todos os custos (salário + vale transporte) + 70% do salário (encargos + administração).
Salário: De acordo com a lei, a remuneração é baseada no salário mínimo nacional ou o salário mínimo hora – R$ 4,34 a hora trabalhada. Os contratos são por 6 horas diárias de trabalho. O aprendiz deve receber, ainda, adicional por periculosidade e/ou insalubridade, caso exerça função que obrigue o pagamento aos demais funcionários. 
Cidades de atuação: Santos e Guarujá. 
Contato: (13) 3213-4900 ramal 226.

ISBET
Funções: aprendizes para auxiliar de frentista, de serviços administrativos, de atendimento e comércio, de copa e cozinha, entre outros. 
Custo: R$ 120,00 mensais por jovem aprendiz + R$ 50,00 de taxa de material escolar. 
Contrato: Empresa deve registrar o aprendiz com as mesmas obrigações trabalhistas de um funcionário comum.
Cidade de atuação: Santos Contato: (13) 3326-4562 ou (11) 93802-4750 (Luiz Cordeiro).

CAMPS
Funções: aprendiz de Logística (assistente administrativo, assistente de logística em transporte, conferente de carga e descarga, controlador de entrada e saída); aprendiz de auxiliar administrativo (almoxarife, arquivista/ arquivador, auxiliar de escritório/administrativo, contínuo/office-boy/office-girl); e aprendiz de comércio e varejo (agente de vendas de serviços,
assistente de vendas, designer de vitrines, vendedor em comércio varejista). 
Custo: R$ 1.340,50 + vale transporte.
Cidade de atuação: Santos.
Contato: (13) 3226-6464.

Fonte: Revista Postos & Serviços (agosto/2019)


Comentários

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas