Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, e de Lojas de Conveniência, e de Empresas de Lava-Rápido e de Empresas de Estacionamento de Santos e Região – Sindicombustíveis Resan.

Veículo elétricoSalão de SP 2018: veja altos e baixos da edição eletrificada

NOV 22, 2018

Evento teve 45 mil test drives e lançamento de elétricos de marca populares. Mas algumas grandes marcas decepcionaram com a falta de novidades.

Pela primeira vez o Salão do Automóvel de São Paulo vai ser lembrado por carros elétricos. Ainda muito longe de serem populares e até agora restritos a uma marca de luxo, esses veículos agora passarão a ser trazidos por montadoras "populares". Uma novidade que elas guardaram para o evento.

Além dos elétricos, a 30ª edição mostrou muito luxo e os passos de algumas marcas que, no anterior, tiveram pouca expressão: Volkswagen e Fiat. Uma bem mais recheada que a outra em termos de novidades.

Mas já que os elétricos são o assunto do momento, o G1 faz um balanço do Salão usando "baterias": cheias, meia-bomba ou quase vazias, elas retratam os altos e baixos desta edição. E tem ainda os "desplugados": ausências importantes da mostra.

O Salão do Automóvel não é só para o público ver os carros, mas também experimentar as máquinas. Segundo a organização do evento, 45 mil test drives foram realizados na área externa do São Paulo Expo.

A novidade da edição de 2018 foram os elétricos e híbridos à disposição do público – ao menos 10 modelos de diferentes marcas, incluindo o trio que teve a venda confirmada para o Brasil: Chevrolet Bolt, Nissan Leaf e Renault Zoe. 

Ainda que estejam longe de serem baratos, Bolt (R$ 175 mil)Leaf (R$ 178.400) e Zoe (R$ 149.900) são as opções mas em conta de veículos elétricos.

lançamento dos três no Salão do Automóvel, além de marcar o ponto alto do evento, pode representar a virada do país na direção da eletrificação dos carros.

Mercedes, BMW, Audi, e até mesmo Porsche e Lexus surpreenderam pela quantidade de lançamentos no Salão do Automóvel.

Enquanto a Mercedes apresentou os novos Classe A (hatch e sedã), BMW e Porsche trouxeram diretamente do Salão de Paris os novos Série 3 e Macan. A Audi apostou em modelos de luxo, como A6, A7, A8 e Q8. Por fim, a Lexus anunciou que toda sua linha no Brasil será híbrida, incluindo o lançamento, UX.

Buscando a liderança do mercado, a Volkswagen caprichou nos lançamentos no Salão do Automóvel. Além do recém-apresentado T-Cross, a marca alemã também apresentou o show-car Tarok.

A picape, que está 80% pronta, segundo a marca, será lançada até 2020, e vai concorrer diretamente com a Fiat Toro. A Tarok promete soluções interessantes, como pontos de energia na caçamba e um acesso direto da caçamba para a carroceria, aumentando a área de cargas. Leia mais

Chegar e sair do São Paulo Expo ainda é um gargalo no Salão do Automóvel, já que a grande maioria das pessoas acessa o pavilhão pela rodovia dos Imigrantes e pelo viaduto Matheus Torloni.

Na hora da saída, as filas para pegar táxi ou ônibus em direção ao metrô exigiram paciência dos visitantes. Ainda assim, foram vários elogios para a estrutura interna do local, com corredores de fácil circulação e climatização eficiente nos dias de calor.

Quem esperava uma “enxurrada” de novidades no estande da Fiat, se decepcionou. Novo mesmo, só o conceito Fastback, que antecipa o próximo SUV médio da Fiat. Além dele, o SUV compacto 500X deu as caras, mas apenas a passeio, já que sua venda não está confirmada para o Brasil. Leia mais

Honda e Jeep, marcas que foram protagonistas nas duas últimas edições do Salão do Automóvel, pouco mostraram na edição de 2018. Seus lançamentos, Accord Wrangler, respectivamente, pertencem a nichos de pouco volume do mercado.

Mesmo em salões no exterior, o público dificilmente tem acesso a modelos mais caros. Em São Paulo não é diferente. No São Paulo Expo, os visitantes tiveram que se contentar de ficar a metros de distância dos carros mais caros e exclusivos da mostra.

Até por isso, o corredor mais disputado do evento foi aquele que abrigava, lado a lado, McLaren, Ferrari, Rolls-Royce e Lamborghini.

Pão de queijo a R$ 7, porção de coxinhas por R$ 20 e macarrão por R$ 36. O visitante que chegou com fome ao Salão do Automóvel teve que preparar o bolso. Apesar da praça de alimentação com grande variedade de opções, os preços praticados foram “salgados”. Aos que preferiam a estrutura de um restaurante, duas opções de bufê, de R$ 45 e R$ 69. Leia mais

Ford e Toyota não tiveram lançamentos importantes no Salão de São Paulo. Nos estandes das marcas, as maiores novidades se resumiram a novas versões de EcoSportYaris e Hilux. A falta de grandes lançamentos destoa da importância das duas no nosso mercado. Elas são, a quarta e a sétima, respectivamente, que mais vendem carros no Brasil.

Citroën, Peugeot, Jaguar, Land Rover, Volvo e Jac Motors ficaram de fora desta edição do Salão do Automóvel, por diferentes motivos. A Chrysler, marca que pertence a FCA, também ficou de fora do evento, apesar de as "irmãs" Fiat, Jeep, RAM e Dodge estarem com seus veículos no pavilhão. Leia mais

Fonte: g1


Comentários

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas