Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, e de Lojas de Conveniência, e de Empresas de Lava-Rápido e de Empresas de Estacionamento de Santos e Região – Sindicombustíveis Resan.

Postos & ServiçosCaravana leva informações ao Vale

MAIO 23, 2018

Resan realiza mais uma edição do Encontro de Revendedores do Vale do Ribeira! Confira os principais assuntos discutido no evento, realizado em 11 de abril.

Matéria publicada na edição de maio/2018 da revista Postos & Serviços

Com o objetivo de trocar informações e experiências,atualizar conhecimentos e fazer consultas técnicas com os diversos prestadores de serviços do sindicato é que foi realizado, no dia 11 de abril, mais um tradicional  Encontro de Revendedores do Vale do Ribeira. Nesta data, a sede do sindicato foi transferida de Santos para Registro como parte das comemorações pelos 25 anos de fundação do Sindicombustíveis Resan. Muitas das informações servem para todos os associados e são dicas valiosas para evitar autuações.

Contabilidade
Desde a implantação do Sped Fiscal em 2013, o trabalho conjunto entre revendedor, contador e a equipe responsável pelo software
gerencial se tornou uma regra para sobrevivência. “Vemos arquivos sendo enviados ao Sped com estoque negativo, ou com estoque que ultrapassa a capacidade da tancagem. Um posto de São Paulo, por exemplo, foi autuado em R$ 800 mil por diversos erros. A questão é que o revendedor tinha certeza de que a contabilidade enviava os arquivos, mas diversas informações não foram transmitidas”.

O alerta é do diretor da Plumas Assessoria Contábil, Luiz Rinaldo, que esteve no encontro do Vale. Já a gerente Daniela de Paula faz outro alerta. “Quando o Sped Fiscal não é gerado no sistema do posto, eu tenho certeza que não são declarados o LMC e as vendas com cartões. Do escritório,o contador só consegue informar as entradas e saídas. E como o Fisco aceita o envio
com dados incompletos? O contador deve assinalar dentro do programa validador que ‘este estabelecimento não é comércio varejista de combustíveis’, ficando dispensado de informar o número do Bloco do LMC – registro 1300. No caso dos cartões,
assinala que ‘não possui operações com cartões de crédito e débito’”. 

Reforma trabalhista
O advogado Rodrigo Julião voltou a falar da importância do Regimento Interno das empresas. Outro ponto é a reivindicação na Justiça de horas extras. “A jornada de trabalho corresponde a 90% das reclamações trabalhistas”, diz ele. A alternativa é a criação de um banco de horas negociado diretamente entre patrões e empregados, conforme o previsto pela reforma trabalhista.

Contratos de bandeira 
A advogada Carolina Dutra, responsável pela assessoria jurídico comercial e ambiental do Resan, se colocou à disposição para analisar contratos de renovação com as distribuidoras. “Não dá para saber como será o mercado daqui a cinco ou 10 anos. Por isso alertamos sobre os perigos de assinar contratos de alta permanência, algo que há cinco anos era muito comum”. Na parte ambiental, Carolina esclareceu dúvidas sobre remediações, processo de descontaminação e licenciamento.

Logística reversa
Gilmar Mori, da Supply Service, comentou sobre a majoração das taxas do Cadri, pela Cetesb, que passaram de R$ 150,00 para R$ 3 mil por posto. “Nós absorvíamos esse custo. De 100 postos, pagávamos R$ 15 mil. Agora foi para R$ 300 mil. Não dá mais para arcar com isso. Estamos em negociação com a Cetesb para voltar a taxa, senão fica inviável”. Outa novidade trazida por Gilmar é
que no dia 10 de abril saiu no Diário  Oficial que o filtro automotivo e o filtro de ar entraram no reuso. “Quem tem contrato conosco não terá problema, pois já é feita a destinação correta. Mas, quem jogava no lixo, não poderá mais fazer desta forma”.

 


Comentários

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas