Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, e de Lojas de Conveniência, e de Empresas de Lava-Rápido e de Empresas de Estacionamento de Santos e Região – Sindicombustíveis Resan.

DieselEntenda a Portaria 735/18 sobre o preço do diesel

JUN 3, 2018

Dúvidas podem ser encaminhadas para o email juridico@resan.com.br

A Portaria 735/2018, do Ministério da Justiça, que disciplina o repasse do reajuste do preço do óleo diesel ao consumidor final, vem provocando dúvidas diversas quanto aos procedimentos para cumprir a obrigação e evitar multas. O Sindicombustíveis Resan analisou o texto e orienta os associados para que não deixem de consultar o sindicato sempre que qualquer dúvida aparecer. Para isso, o emial juridico@resan.com.br estará sendo monitorado frequentemente. 

Segue abaixo perguntas e respostas organizadas pelo Minaspetro. Preste atenção a cada detalhe. Há uma grande pressão popular e também o compromisso dos governos Federal e Estadual de que a fiscalização será rigorosa. 

*1 – É preciso fazer um comunicado específico para afixar no posto, tal como placa, faixa, cartaz, etc.?*

Resposta: A Portaria 735/2018 não determina que seja afixada placa ou faixa. A Portaria determina apenas que o disposto no seu art. 1º deverá ser divulgado pelos postos de combustíveis. Desse modo, até que haja nova regulamentação, basta o revendedor imprimir cópias da própria Portaria 735/2018 e afixar nas laterais de cada bomba abastecedora.

*2 – O repasse da redução de preços se aplica ao estoque?*

Resposta: Não. Aplica-se apenas às compras realizadas a partir de 1º/06/2018, quando entrou em vigor a Portaria MJ 735/2018.

*3 – O repasse deve ser de pelo menos R$ 0,46 (quarenta e seis centavos)?*

Resposta: Como o próprio nome diz, repasse significa passar adiante aquilo que o posto recebeu da distribuidora. O art. 1º da Portaria MJ 735/2018 não especifica qual o valor do desconto; apenas determina que todo e qualquer desconto recebido pelo revendedor deverá ser imediatamente e integralmente repassado para o preço de bomba. Desse modo, o repasse pode ser de R$ 0,46 ou de qualquer outro valor que tenha sido concedido pela refinaria e passado pela distribuidora como desconto.

*4 – E se a distribuidora não der o desconto de R$ 0,46 (quarenta e seis centavos)?*

Resposta: Nesse caso, o revendedor deverá repassar integralmente e imediatamente o desconto dado pela distribuidora. Além disso, deverá realizar a denúncia da distribuidora, para que fique protegido em caso de eventual fiscalização do Procon, ANP, Ministério Público, Cade, Governo Federal, etc. O revendedor que não fizer essa denúncia poderá ter graves problemas não apenas com os consumidores mas também com todos os órgãos fiscalizadores.

*5 – E se no futuro a distribuidora aumentar o preço do óleo diesel?*

Resposta: Nesse caso, o revendedor estará livre para decidir, segundo a sua conveniência, livre iniciativa e capacidade competitiva, se repassará ou não o aumento ao consumidor. O Minaspetro, nesse caso, por obediência à Lei 12.529/2011 (Lei de Defesa da Concorrência) não pode orientar o revendedor a como proceder, sob pena de ser acusado de incentivo a formação de cartel.

*6 – E no futuro, como deve ser feito o repasse?*

Resposta: Enquanto estiver em vigor a Portaria MJ 735/2018, todas as reduções de preço realizadas pelas refinarias deverão ser passadas imediatamente e integralmente pelas distribuidoras aos postos e repassadas imediatamente e integralmente pelos postos aos consumidores.

 


Comentários

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas