Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, e de Lojas de Conveniência, e de Empresas de Lava-Rápido e de Empresas de Estacionamento de Santos e Região – Sindicombustíveis Resan.

CombustíveisMotorista ignora relação de preço e prefere etanol

MAR 2, 2018

O motorista faz a conta para comparar qual combustível é mais vantajoso entre gasolina e etanol – e opta pela gasolina, certo? Não nos últimos meses.

Valor Econômico
 

02/03/2018 – O motorista para no posto, faz a conta para comparar qual combustível é mais vantajoso entre gasolina e o etanol – considerando o rendimento no tanque – e opta pela gasolina, certo? Não nos últimos meses. Desde dezembro, os preços do etanol estão acima de 70% do valor da gasolina nos principais centros consumidores, o que, em tese, torna o combustível fóssil mais vantajoso que o etanol. Mesmo assim o consumo de etanol segue crescendo a todo vapor. E a tendência é que as vendas do biocombustível sejam ainda maiores neste ano.

As explicações para esse quadro são várias. Para a maior parte dos analistas desse mercado, os motoristas estão assustados com os valores recorde da gasolina e passaram a ignorar a paridade de 70%, que seria equivalente ao rendimento médio, na frota da brasileira, do etanol ante a gasolina nos motores.

Na semana passada, a gasolina chegou a ser vendida por R$ 4,703 o litro nos postos do Rio de Janeiro, maior valor da história do Estado e um dos maiores preços do país. Em São Paulo, o recorde foi batido no início do mês, em R$ 4,019 o litro.

“Quando você percebe que o filé mignon está muito caro, você vai para a carne mais barata. É a mesma coisa nesse caso”, avalia Martinho Ono, diretor da SCA Trading.

Presidente da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis), Paulo Miranda Soares concorda. “Apesar de não estar na paridade, o etanol está R$ 1 mais barato que a gasolina. É uma migração para um produto mais barato, o consumidor brasileiro está com dificuldades”, afirma. Para ele, o motorista pode até andando alguns quilômetros a menos do que estaria se estivesse abastecendo com gasolina, mas a diferença é pouca. “A correlação está muito próxima da paridade”, diz.

Em São Paulo, que concentra quase 60% das vendas nacionais de etanol, o preço do biocombustível já está acima de 70% do valor da gasolina desde a primeira semana do ano e chegou a 72% em fevereiro, mas a diferença nominal tem se mantido acima de R$ 1,12 o litro. O mesmo ocorre em Minas Gerais. Responsáveis por mais de 10% das vendas de etanol do país, os postos mineiros registram uma diferença superior a R$ 1,20 o litro, apesar da correlação estar em 72% desde o fim de janeiro. Atualmente, o preço do etanol só está abaixo de 70% do valor da gasolina em Goiás e Mato Grosso.

Para Willian Hernandes, sócio da consultoria FG/A, a correlação de preços explica o comportamento da demanda, mas o patamar próximo de 72% ainda não faz o consumidor preterir o etanol. “A troca ocorre mais quando a relação chega a 74%”.

O analista lembra que, na safra passada (2016/17), a variação dos preços do etanol foi mais ampla comparando o período de moagem e a entressafra. Naquele período, a correlação entre o etanol e a gasolina em São Paulo saiu de um patamar favorável ao etanol de 69% para 74% em poucas semanas.

Pelas contas da FG/A, as vendas de hidratado das distribuidoras aos postos em janeiro ficaram perto de 1,2 bilhão de litros – próximo ao nível de janeiro de 2016. Em relação a janeiro de 2017, quando o consumo foi bem fraco, isso representaria um acréscimo de quase 40%. A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP)divulga hoje o dado de janeiro.

Parte das usinas começa a retomar a moagem de cana já neste mês e com uma tendência bem mais alcooleira, o que deve elevar a oferta interna de etanol em breve. O analista da FG/A estima que a produção deve crescer na mesma proporção que a demanda, mas duvida que as vendas alcancem o recorde histórico registrado em 2015, quando foram comercializados 17,8 bilhões de litros de etanol hidratado no país. “A produção de açúcar teria que cair 6,5 milhões de toneladas (18%). Projetamos sim uma queda, mas não dessa magnitude”, afirma.


Comentários

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas