Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, e de Lojas de Conveniência, e de Empresas de Lava-Rápido e de Empresas de Estacionamento de Santos e Região – Sindicombustíveis Resan.

Rendimento médio do etanol sobre a gasolina pode ser maior que 70%, diz estudo

11 OUT 2017

Auto Esporte

Sabe aquela conta que você faz no posto para escolher entre gasolina ou etanol? Ela pode não ser tão exata, segundo um estudo divulgado nesta terça-feira (10) pelo Instituto Mauá de Tecnologia com apoio da associação da indústria da cana-de-açúcar (Unica).

De acordo com testes feitos com quatro categorias de veículos, o desempenho médio do etanol em relação a gasolina comum (atualmente com 27% de etanol) variou entre 70% e 75% – um resultado que pode ser superior aos 70% usados como referência.

A conta geralmente usada para saber qual combustível é mais vantajoso leva em consideração que o etanol tem em média 70% do poder calorífico da gasolina.

Por isto, para escolher, você pode multiplicar o preço da gasolina por 0,7. O resultado é o preço máximo que o etanol vale a pena.

Por exemplo, se o litro da gasolina custa R$ 3,50, multiplique este valor 0,7. O resultado é 2,45. Então, o etanol seria vantajoso até R$ 2,44 o litro. Se for R$ 2,45, dá na mesma. Se for mais do que isso, não compensaria.

No entanto, segundo o novo estudo, cada motorista deveria fazer os testes com os dois combustíveis para encontrar uma média aproximada do consumo do seu veículo e nos trajetos que ele realiza com mais frequência.

Para os testes, foram utilizados veículos das categorias popular 1.0, sedã médio, SUV e popular 1.6. Os carros circularam em percursos urbanos de 27 km e rodoviários de 30 km. Cada um desses circuitos foi repetido 15 vezes.

Em uma análise dos números de consumo para os mesmos modelos no Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular (PBEV), o estudo detectou que a relação média entre etanol e gasolina, com base no padrão do Inmetro, foi menor, de 66,7% a 72,1%.

70% ainda é referência
Consultada pelo G1 em setembro, a associação das montadoras (Anfavea) afirmou que o valor de referência para o desempenho do álcool continua em 70%, mesmo com o aumento do nível de etanol anidro na gasolina para 27%.

Já a associação dos produtores de cana-de-açúcar Unica ponderou que o índice de 70% é uma “média histórica obtida em laboratório com gasolina de teste (que contém 22% de etanol anidro)”.

“É importante que o motorista calcule a relação entre etanol e gasolina que efetivamente obtém em condições reais de uso para saber qual a melhor opção ao seu caso, pois existem vários fatores que influenciam o consumo, como estilo de dirigir, tipo de percurso, uso de ar-condicionado, topografia da região, entre outros”, afirmou a entidade.