Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, e de Lojas de Conveniência, e de Empresas de Lava-Rápido e de Empresas de Estacionamento de Santos e Região – Sindicombustíveis Resan.

Varejo avança 1,8% e tem melhor abril da série histórica

9 JUN 2021

Fonte: O Estado de S. Paulo

Após cinco meses de resultados ruins, o varejo mostrou fôlego em abril. As vendas cresceram 1,8% em relação a março, melhor desempenho para o mês dentro da série histórica, iniciada em 2000, da Pesquisa Mensal de Comércio, divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O avanço surpreendeu analistas do mercado ouvidos pelo Projeções Broadcast, que estimavam uma queda mediana de 0,3%. O bom desempenho de abril foi impulsionado por avanços em sete das oito atividades que integram o comércio varejista. O resultado inverte o mau desempenho de março ante fevereiro, quando as vendas recuaram 1,1%, com perdas nos mesmos sete ramos varejistas que cresceram agora em abril.

A expansão acima das expectativas em abril corrobora um cenário de atividade econômica mais forte em 2021, afirma o economista da MAG Investimentos Julio Cesar Barros. O analista prevê alta de 0,2% para o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre e avanço de 5,5% no ano, mas avalia que os números podem ser ainda melhores. “A expectativa era de que os efeitos negativos das restrições ficassem concentrados em abril, mas vimos uma volta mais rápida surpreendente”, disse Barros. “Agora, há uma possibilidade de números positivos no segundo trimestre, e isso, evidentemente, coloca um viés de alta para o ano.”

O crescimento das vendas do varejo de abril foi “sólido” e deixou um carregamento estatístico de alta de 1,2% para o setor no segundo trimestre, calcula o Goldman Sachs, em nota.

A reabertura de atividades que foram fechadas em março pela segunda onda da pandemia e uma estratégia de promoções adotadas por alguns setores varejistas impulsionaram o desempenho do varejo em abril, avaliou Cristiano Santos, gerente da pesquisa do IBGE.

Segundo ele, março concentrou mais medidas anticovid, de restrição à circulação e ao funcionamento de estabelecimentos, fazendo com que a reabertura em abril impulsionasse as atividades que tinham recuado.