Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, e de Lojas de Conveniência, e de Empresas de Lava-Rápido e de Empresas de Estacionamento de Santos e Região – Sindicombustíveis Resan.

Produção de motos atinge o pico do ano em setembro

15 OUT 2020

Fonte: Valor Econômico

Com a montagem de pouco mais de 105 mil unidades, os fabricantes de motos instalados no Polo Industrial de Manaus atingiram em setembro o melhor mês do ano, segundo a Abraciclo, entidade que representa o setor. Até então, o melhor desempenho mensal havia sido registrado em março, com 102,9 mil motos, antes do início das medidas de restrição impostas para combater a pandemia da covid-19.

O fechamento do terceiro trimestre em alta, após a recuperação verificada desde o fim das restrições à produção em Manaus, permitiu ao setor ter um cenário mais previsível para 2020. A Abraciclo divulgou as novas projeções para o ano e agora estima fechar dezembro com a montagem de 937 mil motos, queda de 15,4% sobre 2019. A previsão em janeiro era atingir o volume de 1,175 milhão de motos produzidas neste ano, alta anual de cerca de 6%. Os fabricantes chegaram a estimar queda de 20% diante da parada de produção entre abril e maio.

O presidente da entidade, Marcos Fermanian, disse em nota que o setor vem se recuperando mês a mês desde o pior momento no segundo trimestre e o índice de queda deve ser menor do que em outros segmentos da indústria. “Hoje a motocicleta é indicada para evitar aglomeração natural no transporte público. Também passou a ser um instrumento de trabalho e fonte de renda para as pessoas que passaram a atuar nos serviços de entrega.”

A nova projeção de vendas para 2020 aponta o emplacamento de 905 mil unidades, contra a previsão inicial de 1,140 milhão de motos. Essa previsão embute queda de 16% sobre a venda de 1,077 milhão de unidades em 2019. No pior momento do ano, principalmente quando as concessionárias ficaram fechadas por conta das medidas de restrição, o setor chegou a estimar queda de 20% nas vendas internas. O que vem ajudando o setor a registrar bom volume de emplacamentos são as cotas de consórcio, que continuaram a ser contempladas mesmo na pandemia.

A projeção para as exportações foi mantida em 28 mil unidades, o que já indicava uma queda de 27,5% sobre 2019.

A produção de setembro foi 6,8% superior a agosto e 13,1% acima do mesmo mês de 2019. No acumulado do ano foram montadas 693,4 mil motos, retração de 17,1% na comparação anual.

O volume de vendas também cresceu em setembro em todas as comparações. Com o emplacamento de 99,6 mil motos, o setor apresentou expansão de 3,8% sobre agosto e de 13,6% sobre o mesmo mês do ano passado. As vendas somam 630,8 mil unidades no ano, queda de 20,8% na comparação com o acumulado de 2019.

Com 21 dias úteis, a média diária em setembro ficou em 4.743 unidades emplacadas. Em relação a setembro de 2019, que teve o mesmo número de dias úteis, a média diária foi 13,6% maior. Na comparação com agosto a alta foi de 8,7%.

As exportações mantém ritmo fraco. Foram embarcadas 3.622 motos em setembro, 29,9% a menos do que em agosto, mas alta de 51,5% sobre o mesmo mês de 2019. No ano foram exportadas 23.653 motos, queda de 18,8% na comparação os nove meses do ano passado. O destaque nas exportações em setembro foi o volume enviado aos Estados Unidos, de cerca de 42% do total. Na sequência vem a Colômbia (24,2%) e Argentina (21,3%).