Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, e de Lojas de Conveniência, e de Empresas de Lava-Rápido e de Empresas de Estacionamento de Santos e Região – Sindicombustíveis Resan.

Covid-19 deve acelerar transição do consumo de petróleo para combustíveis limpos

15 SET 2020

Fonte: Jovem Pan

O consumo mundial de petróleo pode ter atingido seu pico e a pandemia da Covid-19 deve acelerar a transição para os combustíveis limpos. As perspectivas foram levantadas pelo relatório anual da petroleira britânica BP sobre o mercado de energia. Um mercado, aliás, que interessa muito ao Brasil — uma vez que a indústria de óleo e gás é uma das principais do país. A empresa com sede em Londres prevê três cenários diferentes para a transição do planeta rumo aos combustíveis menos poluentes.

Em todos os três a demanda por petróleo deve cair significativamente pelos próximos 30 anos — lembrando que a pandemia de coronavírus já reduziu bastante o consumo de petróleo, algo em torno de 10% em relação ao período pré Covid-19. Alguns especialistas do setor questionam, inclusive, se essa perda é apenas pontual ou se ela vai se refletir de forma permanente na indústria. No cenário projetado pela BP em que o planeta seguirá com políticas e práticas semelhantes às atuais, ou seja, sem partir para medidas mais agressivas de combate ao aquecimento global, a demanda por petróleo deve se recuperar da pandemia — mas vai atingir um platô ainda no início dos anos 20.

Nos outros dois cenários, com ações mais robustas diante da emergência do clima, o consumo não retornará ao que era — o que significa que a marca de 100 milhões de barris por dia registrada em 2019 terá sido o ponto máximo global. A petroleira britânica, que teve no ano passado faturamento mais de três vezes e meia superior ao da Petrobras, confirmou no mês passado que vai reduzir sua produção em 40% e multiplicar quase que em dez vezes os investimentos em energia renovável até 2030. Porém, o jornal Financial Times ressalta que a pressão de investidores, ambientalistas e do público sobre as empresas de energia para enfrentar as mudanças climáticas está aumentando — mas a demanda por combustíveis fósseis deverá permanecer robusta por décadas.