Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, e de Lojas de Conveniência, e de Empresas de Lava-Rápido e de Empresas de Estacionamento de Santos e Região – Sindicombustíveis Resan.

Para Fitch Ratings, venda direta de etanol não traz ganho de margem significativo

16 JUL 2020

Fonte: Nova Cana

A aprovação de diretrizes para a venda direta de etanol foi classificada como “neutra” pela agência de classificação de risco Fitch Ratings. Segundo relatório, a comercialização entre usinas e postos, sem a presença de distribuidoras, deve ser adotada por poucas empresas, além de representar um ganho de margem pequeno.

“Para a Fitch, fatores necessários à venda direta aumentariam os custos-caixa, tornando a mudança economicamente inviável”, declara e completa: “As empresas estão mais focadas em reduzir custos operacionais de caixa e maximizar a produção de açúcar em detrimento do etanol, na atual safra”.

A agência reforça que, no atual contexto de baixa demanda por combustíveis, qualquer mudança pode representar um aumento de custos para as usinas. Um dos principais fatores seria a necessidade de comprar ou alugar frotas.

“As empresas precisariam se adaptar a uma logística diferente, na qual o número de caminhões e sua capacidade de armazenamento mudariam, com veículos de alta capacidade sendo substituídos por menores, pois as vendas das usinas seriam fragmentadas”, observa.

Segundo o documento, a proximidade entre a usina e os postos pode ajudar em alguns casos, mas isso deve representar apenas uma fração do mercado. As usinas localizadas no Centro-Oeste, por exemplo, teriam dificuldades para chegar ao varejo do Estado de São Paulo, que corresponde a 60% do etanol vendido no país.

Ainda de acordo com a Fitch, a venda direta de etanol a varejistas envolveria desafios adicionais à gestão de capital de giro.