Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, e de Lojas de Conveniência, e de Empresas de Lava-Rápido e de Empresas de Estacionamento de Santos e Região – Sindicombustíveis Resan.

Medida foi ruim para economia, afirma ANTT

14 FEV 2020

Valor Econômico
 

14/02/2020 – A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) admitiu, pela primeira vez, que o tabelamento produziu efeitos nocivos à economia, em especial ao transporte rodoviário de cargas, gerando distorções como explosão da frota própria de caminhões por empresas e redução na contratação de motoristas autônomos para o serviço.

Em nota técnica elaborada no fim do ano passado para embasar o último reajuste de 15% na tabela de frete publicada em 20 de janeiro último e obtida pelo Valor, a agência reguladora aponta “problemas regulatórios” em efetivar a lei do piso mínimo do frete – editada em agosto de 2018 como uma das condições impostas pelos caminhoneiros ao então presidente Michel Temer para cessar a greve três meses antes.

A agência, vinculada ao Ministério da Infraestrutura, ainda reconheceu que sua primeira resolução publicada em junho de 2018 como efeito da lei “não se mostrou suficiente, de forma que o problema não foi totalmente equacionado”.Para ler esta notícia, clique aqui.